segunda-feira, 26 de abril de 2010

Uma PEC para acabar com o PAC

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) está sendo proposta para que a jornada de trabalho seja reduzida. O argumento é de que isso geraria mais empregos, porque para manter o nível de produção a “burguesia” teria que contratar mais indivíduos, e com isso o número de desempregados diminuiria.

“Uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), a ser votada no Congresso, prevê a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais, sem que os salários sejam reduzidos, e também o aumento no valor da hora extra de trabalho dos atuais 50% para 75%.” (Portal Terra*, 13/04/2010)

Mas a obsessão dos comunistas de buteco no legislativo e nos sindicatos não deixa que eles vejam que isso é tiro no pé. E pior, no pé de todos nós.

O argumento deles poderia ser verdade, se não fosse um pequeno detalhe, mínimo, chamado CLT. Contratar duas pessoas para trabalhar 4 horas não é a mesma coisa que contratar uma para trabalhar 8, pois há encargos trabalhistas e o salário/hora pago dobraria. O custo de produção aumentaria muito. Para um país que quer crescer muito parece estranho que se queira trabalhar menos.

Além disso, o comunista de buteco que está propondo isso se esqueceu de que o maior problema é a qualificação da mão-de-obra, ainda que se desse estímulo a contratação, não haveria como ocupar os postos sem mão-de-obra qualificada. Mesmo hoje a indústria carece de mão-de-obra.

E caso seja aprovada, isso só ira reforçar o movimento de empresas migrando para a China (http://bit.ly/czX64N), e talvez os metalúrgicos de SP (http://bit.ly/aUlFRO) depois comecem a chorar quando a VW fechar a unidade daqui e começar a produzir só lá. (E olha que estamos falando de um país governado por comunistas. Mas talvez os de lá sejam de verdade, e não de buteco como os daqui, e saibam como gerar empregos.)

É a favor da PEC? Gosta da CLT? Não gostou do post? A mão na sua cara!

*Calma, não estou usando esse famigerado meio de comunicação para basear meus argumentos, foi só um resumo que achei da PEC.

7 comentários:

Dentão disse...

O mais interessante é que se o cara propusesse redução na jornada de trabalho, e mudanças na CLT (diminuição dos beneficios trabalhistas), até que poderia fazer sentido, poderia ser uma proposta que com algum conteúdo aplicável.

Mas não, querem reduzir jornada de trabalho e todos os encargos trabalhistas, e a desculpa é sempre a mesma "os dragões do capitalismo ganham milhões, e pagamos impostos altos, e o governo é corrupto" a mão na cara deles!

Modes disse...

Post muito pertinente, Gari.

Aceita esta proposta, num curto prazo teríamos inflação forte (ainda mais numa economia indexada como o Brasil). No longo prazo e mais preocupante, o custo Brasil se elevaria mais, reduzindo os atrativos de investimento no país e reduzindo o potencial de crescimento da produção.

Acredito que a elevação do emprego (de baixa qualificação, diga-se de passagem) não seria a solução para o Brasil despontar em termos de PIB. Dezenas de vezes melhor teoricamente (Vide Marx, Schumpeter, ...) e empiricamente (Vide Coréia do Sul, Japão) falando é tornar o trabalho mais eficiente, apostar na inovação (no sentido schumpeteriano)!

Acredito que a solução anda muito mais pra esses cantos: ( http://www.economist.com/printedition/displaystory.cfm?story_id=15879369 )

Bela disse...

Deprimente, né Gari?

O Brasil já tem uma carga tributária pesada e complexa. O empreendedor tem q fazer curso pra entendê-la melhor e até mesmo contratar advogado tributarista pra tentar via "arte-manhas" conseguir aliviar as despesas.
Uma economia onde há excesso de advogados (gostaria de saber se existe um estudo sobre isso), deve ter baixa produtividade, penso.
A informalidade é consequência disso. Quem trabalha informalmente já trabalha em uma escala menos eficiente por motivos diversos, como: não poder vender pra qualquer cliente (significa não poder crescer), não pode assinar carteira (gera mercado de trabalho informal que abarca crianças e outros seres modenestos que deveriam estar se qualificando aumentando o capital humano da economia). Além disso quem trabalha informalmente não contribui para a previdência e lá na frente qd tiver velhinho será um problema pra todos nós. Enfim, inormalidade é um problema sério. Soma-se a isto a infra-estrutura PRECARIA do Brasil, que gera subinvestimentos em regiões com potêncial econômico. E ainda como se não bastasse, tem os comunistas de buteco... Gari, isso é um tiro no pé mesmo... Além dos encargos trabalhistas, ter dois empregados é sempre pior pq tem o custo de treinamento, por mais banal q seja o treinamento... Concordo com Dentão e Mods também.. É por isso tudo q mencionamos q o Brasil qd ameaça crescer 5-6% (UAAAU!!!) nós morremos de medo de inflação. Governos e comunistas de buteco, vamo ajudar o mercado nos ajudar, caralho!

É isso...

Abraço

Gari disse...

Bela,

Têm duas coisas que você falou que eu concordo e piora a situação caso a PEC seja aprovada.

Num país com tantas processos trabalhistas no judiciário, já pensou na quantidade de processos que a contratação em massa de pessal desqualificado vai causar? Pior, se a demissão sem justa causa se tornar inconstitucional, piora ainda mais. Mais custos de transação atrelados a contratação de mão-de-obra. Mais burocracia, menos eficiência, menos atratividade...

Bela disse...

Tem uma coisa q a gente tem q pensar.. O cara que trabalha meio horário, consegue estudar, e lá na frente virar mão-de-obra qualificada... Isso é bom! Os caras que ralam o dia todo, serão eternamente desqualificados dado a grande dificuldade em se qualificar nessas condições.. Esse assunto é complexo... Talvez o ideal seja aumentar o numero de escolas técnicas no ensino médio público. O Governo gera externalidades extremante positiva pro mercado qd ele qualifica o povo.. Isso é prol DESENVOLVIMENTO de um país e não apenas crscimento..


É a favor da PEC? Gosta da CLT? Não gostou do post? A mão na sua cara!

Boi disse...

Acredito que flexibilizar seria uma melhor opção. Se o sujeito está disposto a trabalhar 20 horas por dia, por que limitá-lo? É a vontade dele e ninguém tem o direito de limitá-lo. Tenho a mesma opinião do Adolpho Sachida: trabalho movimenta a economia. Quanto mais o povo trabalha, mais o país cresce.

Lu disse...

O Duda certamente concordaria com vc, Modes!